Amprev e consignados são temas levantados em sessão pelo deputado Paulo Lemos

Amprev e consignados são temas levantados em sessão pelo deputado Paulo LemosO deputado estadual Paulo Lemos (PSOL-AP) levantou dois pontos durante as comunicações inadiáveis, ao final da sessão desta terça-feira, 19, no plenário da Assembleia Legislativa do Amapá (Alap).

Lemos cobrou a atenção dos deputados sobre os consignados. O problema volta a se repetir no Executivo estadual, com a cobrança dos bancos aos servidores público pela contratação de empréstimos, mesmo havendo desconto em folha do valor da parcela, feita pelo Governo do Amapá.

“Vamos requer, ainda esta semana, informações a secretárias estaduais responsáveis pelo desconto em folha para saber o que está havendo, já que os servidores sofrem o constrangimento de serem cobrados, mesmo já tendo sido descontado o valor da dívida em seus contracheques”, afirmou lemos.

Legislativo negocia dívida com Amprev

Paulo Lemos parabenizou a inciativa do presidente da Alap, Kaká Barbosa (Avante) por autorizar a negociação das dívidas da Casa com a Amapá Previdência (Amprev), onde Lemos é também membro do conselho administrativo, como representante do Legislativo.

O parlamentar citou que a dívida da Alap é equivalente hoje está em cerca de R$ 30 milhões, correspondente a anos anteriores. Atualmente, a Casa mantém em dia o seu compromisso com a previdência social do Estado.

Quando á dívida do Executivo, cerca de R$ 2,2 bilhões, Lemos reforçou da necessidade de negociar o valor, em favor dos próprios servidores, para garantir seguridade no pagamento de suas aposentadorias.

“Esse valor corresponde a setenta porcento do caixa atual da Amprev, ou seja, do que a instituição possui em aplicações”, comparou Lemos. No entanto, o deputado reconheceu que o montante dessa dívida é acumulo da falta de repasse à previdência de gestões anteriores a de Waldez Góes.

Mesmo com tantas dívidas ativas a receber de várias instituições públicas, a Amprev, segundo Lemos, a instituição possui recursos para arcar o pagamento da aposentadoria dos servidores estaduais até 2031.

Júnior Nery – Ascom/Paulo Lemos
Foto: Jaciguara Cruz/Alap